• espaco horizonte

VINHOS E PRATOS PARA AQUECER O INVERNO




O frio ainda está no Brasil. Os termômetros já registram temperaturas mais baixas e esta é uma oportunidade perfeita para abrir um vinho e esquentar a alma. Por isso, separamos uma combinação de vinhos e pratos que serão grandes aliados para tornar suas tardes e noites mais agradáveis.


O frio nos convida a ambientes mais aconchegantes, a desfrutar da companhia de amigos, evoca o romantismo, o prazer de estar com a pessoas queridas, de provar comidas e vinhos que nos aqueçam.


Nesse contexto, nosso apetite costuma ficar mais voraz, ávido por saborear pratos impensáveis no verão, alimentos mais calóricos, que nos forneçam mais energia e ajudem nosso corpo a manter a temperatura, como cozidos fumegantes, assados e molhos encorpados. Sopas substanciosas (como ribollita ou minestrone), cassoulet, boeuf bourguignon, risotos, massas gratinadas, fondues, queijos e embutidos... os pratos de inverno parecem ter sido criados para acompanhar uma garrafa de vinho.


No Brasil, embora o vinho possa, e deva, ser apreciado durante o ano todo, muitas vezes ele é considerado a bebida própria para temperaturas baixas.


No clima frio nosso paladar costuma se ajustar para degustar vinhos mais encorpados, de maior teor alcoólico, estruturados e tânicos, mais potentes e opulentos, características regularmente associadas a tintos. Entretanto, muitos dos pratos de inverno ficam ótimos e merecem ser experimentados na companhia de brancos; que neste caso, não seriam vinhos brancos leves e jovens (como Sauvignon Blanc, por exemplo), mas sim dos mais encorpados, que na maioria das vezes tiveram estágio, ou até mesmo fermentação, em madeira, o que lhes confere mais untuosidade e estrutura, e que por vezes podem chegar a ser maiores do que as de alguns tintos e os tornam ideais para acompanhar certas iguarias.


Aqui vamos dar algumas dicas de pratos e vinhos para esses dias frios mais quentes e aconchegantes.


SOPAS:


Capeletti in Brodo


Uma massa recheada de formato delicado, servida em um caldo fumegante e rico, feito à base de legumes, carnes e aromáticos, não poderia combinar mais com a estação. Como o recheio da massa normalmente leva miúdos de ave e especiarias, tintos de leve a médio corpo com boa acidez, como Chianti e Valpolicella, por exemplo, são boas sugestões para escoltar.





Caldo Verde


Provavelmente a mais famosa sopa de Portugal, feita com batatas, couve e linguiça portuguesa. A combinação tradicional pede um tinto leve, como Valpolicella, Beaujolais-Villages ou Pinot Noir sem passagem por barrica, mas brancos com pouco estágio em madeira, por exemplo, portugueses ou espanhóis, podem acompanhá-la com maestria.





Ribollita


- Sopa de feijão e verdura, substanciosa, rústica e espessada com pão. Vai bem com Chianti, Valpolicella, Tempranillo tipo "Joven", Languedoc e Roussillon.







COZIDOS:


Coq Au Vin


Prato típico da culinária francesa, trata-se de um cozido à base de carne de galo (opcionalmente frango) e vinho. Vai bem com Borgonha tinto ou Pinot Noir californiano, por exemplo, mas experimente também com vinhos espanhóis da região de Rioja, tanto Crianza, quanto Reserva.





Boeuf Bourguignon


Mais um clássico francês, à base, neste caso, de carne (normalmente músculo) cozida em vinho tinto, com cenouras, champignons, batatas e cebolas. Divino se acompanhado de Pinot Noir encorpados, não apenas da Borgonha, mas também do Oregon, da Nova Zelândia e, por que não, da América do Sul. Apesar dessa combinação tradicional, outros tintos fazem ótimo par com esse estilo de prato, como, por exemplo, os espanhóis com base em uva Garnacha ou mesmo um bom tinto de Nebbiolo, como um Barbaresco.






Brasato Al Barolo


Originário do Piemonte, este prato é bastante adequado ao inverno, por ser um ensopado robusto preparado com vinho tinto bem encorpado, preferencialmente o próprio Barolo. Barolo, Barbaresco, Brunello di Montalcino, Rhône, Shiraz de Barossa, Cabernet Sauvignon do Novo Mundo, além de tintos espanhóis, lhe fazem boa companhia.






Carnes de caça


Carnes de animais de caça como faisão, por exemplo, têm sabor intenso e textura firme. Quando preparadas com castanhas, pinhões ou cogumelos ficam deliciosas e bastante apropriadas para o frio. O mesmo se pode dizer da carne de cordeiro. Vale aqui apreciá-las com tintos excelentes, maduros, como os de Bordeaux e vinhos também de alta gama produzidos no Novo Mundo e Rioja.





Cassoulet


Prato francês do Languedoc, o cassoulet, assim como a nossa feijoada, pode sofrer algumas variações, dependendo da temporada ou da região, mas é basicamente feito com feijão branco, linguiças, carnes de porco e cordeiro, além de confit de pato. Bastante rico, faz par perfeito com tintos frutados, como Morgon - cru de Beaujolais, que costuma resultar em vinhos encorpados a partir da uva Gamay - , ou mais robustos, como Cahors, na França, ou os da Bairrada, em Portugal. Experimente também com Malbec argentinos estagiados em madeira.





Ossobuco


Corte bovino rico em colágeno e gordura, além do tutano existente no interior do seu osso (daí o nome "ossobuco"). Fica ótimo na companhia de Barolo, Barbaresco, Sangiovese e Cabernet Sauvignon de mais corpo.





Fondue


Inverno lembra fondue, não tem jeito. Normalmente, fondues são servidas com vinho tinto. Entretanto, vale experimentar a versão de queijo com brancos, sejam eles maduros e bem estruturados, como Chardonnay do Novo Mundo, ou então mais leves, de pronunciada acidez, secos ou meio secos, como os Riesling alemães, por exemplo. A versão de carne harmoniza com tintos bem frutados, como Cabernet Sauvignon da Califórnia e do Chile, Malbec da Argentina ou vinhos de média gama do Douro, em Portugal, e de Ribeira del Duero, na Espanha.




PEIXES:


Bacalhau


O bacalhau é um peixe substancioso, que por si só combina com a estação. Normalmente, suas preparações tendem a ser ricas em azeite. Quando preparado em receitas cremosas, como, por exemplo, às natas (desfiado ou lascado, envolvido num refogado de cebola juntamente com batatas fritas, molho bechamel, natas e, em seguida, gratinado), é uma aposta certa para agradar o paladar quando o tempo está frio. Uma sugestão são os brancos portugueses fermentados e estagiados em barrica, ou então Chardonnay do Novo Mundo com boa dose de madeira, como os americanos, chilenos e argentinos, mas tente também um tinto jovem.





QUEIJO E VINHO:


Talvez uma das primeiras coisas que venha à nossa mente quando pensamos em reuniões de inverno com amigos sejam os tradicionais "queijos e vinhos". O sucesso dessa fórmula reside mais na praticidade do que no casamento perfeito entre a dupla, já que a maioria dos queijos vai melhor com vinho branco. Queijos costumam ser bastante gordurosos e, assim, afetam a percepção gustativa da bebida.


O ideal seria servir um vinho para cada queijo, mas, como nem sempre o ideal é possível, existem algumas dicas que podem ajudar.




Queijos de massa mole e casca aveludada, como brie, Lua Cheia (Serra das Antas) e camembert: por seu sabor rico e concentrado, casam melhor com vinhos brancos, de uvas Chardonnay ou Viognier. Se a preferência for por tintos, tente com Pinot Noir, Merlot ou Sangiovese.


Queijos azuis, como gorgonzola, roquefort e stilton: normalmente têm considerável teor de gordura e sabor picante, tornando-os boa companhia para vinhos que acompanhariam sobremesas, como brancos de Sauternes ou outro branco doce de bom equilíbrio acidez/doçura. Outra opção são os vinhos do Porto, principalmente LBV ou Vintage mais novos.


Queijos semiduros como gouda, gruyère, emmental, maasdam: são opções que costumam agradar a todos. Vão bem com brancos encorpados, como Chardonnay ou brancos da Rioja. No tocante a tintos, os dois primeiros harmonizam bem com vinhos encorpados; os dois últimos, com tintos de médio corpo.


Parmesão e grana padano: duros e de consistência granulosa, harmonizam com vinhos fortificados, como Porto, ou tintos doces de colheita tardia. Não deixe de experimentar com Amarone.






OUTRAS DICAS DE PRATOS:


Foie Gras


Uma delícia o ano todo, o foie gras agrada ainda mais no inverno por conta de sua untuosidade elegante. A combinação clássica é com Sauternes, mas tente também com outros vinhos doces concentrados da Alsácia, da Alemanha, ou até mesmo os Tokaj da Hungria e alguns doces do Novo Mundo.






Risotos


Arroz, vinho, manteiga, queijo, textura cremosa... risoto é comida aconchegante, quentinha e bastante versátil, que cai muito bem no inverno. A companhia ideal para harmonizá-lo vai depender do tipo de risoto. Vale pensar sempre nos ingredientes da preparação para definir o vinho ideal. Para o risoto de funghi: recomenda-se tintos maduros e aveludados, como Borgonha, Bordeaux e Rioja. Os risotos de legumes ou de queijo são bem escoltados por brancos das uvas Chardonnay, Alvarinho e Sémillon. Para acompanhar os risotos de carne e linguiça, costumam fazer bonito os tintos italianos de corpo leve ou médio, como por exemplo, Chianti, Valpolicella, Dolcetto d'Alba e Barbera. Experimente também com tintos da Sicília que tenham base em Nero d'Avola e/ou Nerello Mascallese.





Suflês


Os suflês saídos do forno, altos e fumegantes, são ótimos para nos aquecer. O tradicional de queijo casa bem com brancos de médio corpo, com pouca ou sem passagem por madeira. Chardonnay ou Viognier mais frescos são boas opções, bem como Riesling secos ou meio secos. Tintos são mais arriscados, mas, se optar por eles, prefira os sem madeira e menos estruturados e tânicos. Uma boa opção podem ser os espanhóis tipo "Joven", Sancerre tintos ou os Borgonha Villages. Quando sobremesa, dependendo de seu ingrediente principal, ficam ótimos com Late Harvest (suflês de frutas) e Portos (suflê de chocolate).






Aproveite o inverno!!! Saúde !!!

Márcio Oliveira