top of page
  • Foto do escritorespaco horizonte

Destino turístico Cordilheira do Espinhaço




A Secretaria Estadual de Cultura e Turismo de Minas Gerais, o Sebrae Minas, a Associação Brasileira de Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura - ABETA e o Comitê Gestor da Reserva da Biosfera Unesco, em parceria com as Prefeituras de Botumirim, Cristália, Grão Mogol, Itacambira e Turmalina apresentaram no dia 16 de março de 2023, o novo destino turístico de Minas Gerais, a Cordilheira do Espinhaço.


A Cordilheira do Espinhaço é uma cadeia montanhosa localizada no planalto Atlântico, estendendo-se pelos estados de Minas Gerais e Bahia. Seus terrenos são do proterozoico e contêm jazidas de ferro, manganês, bauxita e ouro.


Pode ser considerada a única cordilheira do Brasil, pois é singular em sua forma e formação e é reconhecida pela Unesco como Reserva Mundial da Biosfera abrangendo 179 municípios.





O projeto, inicialmente, envolve cinco cidades do Norte de Minas e do Vale do Jequitinhonha: Grão-Mogol, Itacambira, Caçaratiba (distrito de Turmalina), Cristália e Botumirim.


O projeto, através do Sebrae Minas, e de seu Presidente Marcelo de Souza e Silva, prevê a capacitação de empresas, associações, restaurantes, empreendedores e empresas de ecoturismo da região. Com isto o desenvolvimento econômico vai crescer gerando emprego e renda para os locais.


Para Leônidas Oliveira, Secretário de Estado de Cultura e Turismo, o projeto é ousado e visa despontar o ecoturismo já tanto difundido pelo mundo. A região tem um potencial de belezas extravagantes, um bioma único com paisagens belíssimas entre cachoeiras e montanhas. O contato com a natureza através de caminhadas, ciclismo, trekking, birdwatching e outros esportes ecológicos aviva o contato e respeito pela natureza.


O destino Cordilheira do Espinhaço, tem potencial para atividades de aventura e ecoturismo, e está recheada de histórias referentes ao passado colonial e aos ciclos extrativistas do Brasil.






A Serra do Espinhaço, compreende uma faixa de 1000 km de comprimento que liga a cidade de Barão de Cocais, no Estado de Minas Gerais, à cidade de Xique-Xique, na Bahia. O nome da cordilheira foi dado há cerca de 200 anos por um naturalista alemão, o geólogo Wilhelm Ludwig von Eschwege.


O rio Santo Antônio nasce na Serra do Espinhaço no município de Conceição do Mato Dentro e tem 280 quilômetros de extensão. A bacia engloba, total ou parcialmente, 29 municípios, dos quais 23 têm suas sedes na área.





Algumas das atividades de aventuras realizadas na Cordilheira do Espinhaço, partem da charmosa e histórica cidade de Diamantina, em Minas Gerais. Com relevo acidentado, paisagens com cachoeiras imponentes e vegetação típica da região levam os turistas e amantes da natureza a se interessarem pelo potencial natural da região.


Dentre os passeios podemos citar o Caminho dos Escravos, que liga Diamantina ao distrito de Mendanha, o Parque Estadual do Biribiri, a Vila de Biribiri, que passa pelas cachoeiras de Cristais e Sentinela, além de pinturas rupestres encontradas na região.


Um dos trekkings mais leves é o que vai para a Represa da Xica, passando pela impressionante Gruta do Salitre, formada por quartzitos e com aspecto de um castelo medieval, e termina no povoado de Extração, cujas origens remontam ao século XVIII e onde está localizada a represa.


O Pico do Itambé, conhecido como o “teto do sertão mineiro”, com 2.252 metros de altura é um desafio para os amantes de aventura.





A gastronomia da Serra do Espinhaço é muito rica e típica da região. Encontramos diferentes pratos onde o pequi é usado constantemente em pratos bem diferentes, como o arroz com pequi, frango cozido com pequi e outras combinações.






Muito típico também o requeijão moreno, a carne de sol, a cachaça e o jiló. Encontramos a fabricação de várias cervejarias artesanais.


Também famosos são os queijos, cuja produção artesanal é concentrada no município de Serro.




A cultura está presente em toda a Cordilheira do Espinhaço. A própria cidade de Diamantina já recebeu o título de Patrimônio Histórico e Arquitetônico da Humanidade pela UNESCO em 1999 e comtempla outras cidades como Botumirim, Cristália, Grão Mogol, Itacambira e Turmalina, cada uma com suas particularidades que convidam os turistas a serem recebidos de braços abertos.


Também presentes nas cidades pertencentes ao projeto, construções históricas que se encontram nos municípios de Grão-Mogol e Itacambira, rota de enoturismo em Grão-Mogol, gastronomia diferenciada, arte, artesanato e tudo que um turista procura em viagens à Cordilheira do Espinhaço.



Vamos conhecer?



Matéria de Sandrinha Coelho para o Jornal @espacohorizonte

Comments


bottom of page