• espaco horizonte

“Comemorando o Malbec day”



A matéria de hoje do Jornal @espacohorizonte, escrita por Márcio Oliveira é sobre a uva Malbec, suas características, terroir e várias informações interessantes sobre esta uva.


Originária da França, a uva Malbec se adaptou tão bem ao solo e clima da Argentina que hoje é a casta mais popular e com maior cultivo no país, que é reconhecido como o quinto maior produtor de vinho do mundo.

Quem prova um vinho produzido a partir desta uva, sabe que ele tem um sabor único. Plantada em solo argentino, a casta possui características diferentes da cultivada em seu país de origem. Na França, em função de suas características de clima e solo, a Malbec costuma por muitas vezes amadurecer com dificuldade, mas na Argentina sua maturação não é problema, porque Mendoza (região que produz cerca de 75% do vinho no país “Hermano”) tem clima muito seco, ensolarado durante o dia e fresco a noite.

Assim, essa variedade quase nunca tem gosto amargo e, conforme sua vinificação, exala aromas que vão de frutas vermelhas ao chocolate.

● Origem da Uva Malbec – a origem da uva é Bordeaux, e muito tempo, foi uma uva para misturas em todo o sudoeste da França. Entretanto, teve grandes dificuldades de se adaptar ao “cavalo americano” quando foi enxertada após a praga da Filoxera e passou a se espalhar sobretudo pela região de Cahors, onde ficou conhecida por produzir seus vinhos negros. Atualmente, continua sendo a uva dominante em Cahors. Lá produz vinhos rústicos, às vezes com aromas e sabores ligeiramente animais.

A casta teve tanta popularidade que chegou a ser uma das cinco mais cultivadas em Bordeaux. Uma curiosidade muito interessante sobre esta uva é a infinidade de nomes que podemos chamá-la: Auxerrois, Grifforin, Gros Noir, Médoc Noir, Pressac e Prolongeau.


Todos, nomes franceses, porém possuindo variações de acordo com a região produtora. Em meados do século XIX, a uva Malbec enfrentou problemas para ser produzida em sua região de origem. Houve o ataque da Filoxera, uma praga que devastou grande parte dos vinhedos da França e de outros países da Europa.




Além disto, em 1956 a região de Bordeaux sofreu com uma temporada de geadas que comprometeu os seus vinhedos, em especial o pouco restava da uva Malbec. Com isso, ficou bem claro que as uvas Malbec não têm uma resistência muito boa para climas extremos, sejam eles frios ou quentes. Isso fez com que, pouco a pouco, ela fosse descartada como uma das uvas indicadas para a produção em Bordeaux, mas que se adaptou muito bem na Argentina.



Apesar de fria, a Argentina tem a perfeita combinação entre frio e altitude na medida exata para o cultivo das uvas Malbec. Além desse fator, há nesse país a incidência exata de sol necessária para a maturação dessa fruta. Afinal, nem só de temperaturas mais baixas vive uma planta tão sensível.

Por isso, mesmo com origem europeia, ela fixou as suas raízes em um continente completamente diferente. História semelhante se deu com a uva mais famosa do Chile, a da variedade Carménère, que encontrou no país andino o seu lugar de destaque e sua casa definitiva.

A Malbec é conhecida em primeira instância pela intensidade de sua coloração, culminando em vinhos de cor violeta marcante. Ressaltando que a coloração das uvas está concentrada na casca da fruta, sendo necessário manter o líquido em contato com a casca (pele) por alguns dias até que a tonalidade desejada para o vinho seja alcançada.



Além desse, outro ponto importante da uva Malbec são os seus taninos firmes e marcantes, algo que confere muita personalidade e presença para seus vinhos. Eles também são bastante frescos, frutados, encorpados e com uma acidez bastante balanceada.

Quando somadas, todas estas características contribuem para a Malbec ser uma das uvas mais famosas de todo o planeta, com uma presença bastante rústica, potente, intensa e ao mesmo tempo refinada.

● A chegada na Argentina - Imigrantes a levaram para a Argentina, onde, em Mendoza, adaptou-se tão bem que se tornou a uva tinta mais popular do país, produzindo vinhos gloriosamente aveludados, concentrados e vivazes, com alto teor de álcool e extrato.

Segundo a Wines of Argentina, entidade responsável pela imagem do vinho argentino no mundo, a propagação do cultivo da Malbec no país é atribuída ao engenheiro agrícola francês Michel Aimé Pouget, que em 1853, quando era diretor da primeira escola de agricultura do país, ensinou métodos científicos para o aproveitamento dos frutos. Um visionário argentino, chamado Domingo Faustino Sarmiento, foi o responsável pela vinda deste francês para terras latinas.





Apesar de ter sua origem não confirmada, o nome “Malbec” teria surgido a partir de um viticultor húngaro, que fez muito pelo cultivo e expansão da casta na Europa. Seu nome era Malbek, com “K” no final. Entretanto há a versão que a uva era chamada de Côt em Bordeaux e ao ser plantada em Cahors, região de clima mais frio, que não possibilita a maturação completa da uva, criando vinhos mais tânicos e ácidos, de “mal bico”, de “má boca” e daí, o termo francês para “mal bec”.


Após mais de 150 anos de plantio na Argentina, a uva é considerada a mais emblemática do país, com uma produção que envolve mais de 39,5 mil hectares e aumenta cada vez mais.




● Problemas e Soluções na produção do vinho Malbec - De modo geral, a produção do vinho começa logo na condução dos vinhedos e colheita. A uva Malbec tem, naturalmente, uma grande suscetibilidade para sofrer com pragas, além de uma sensibilidade acentuada às alterações de clima. Por isso, precisa ser plantada em locais muito específicos a fim de se desenvolver. É aqui que começam os problemas (e as soluções) relacionados com a uva Malbec. Afinal, quando produzida em baixas altitudes, essas frutas tendem a sofrer para produzir a acidez característica das bebidas que levam o seu nome.

Por isso, a produção normalmente é feita em locais bastante altos, planos e com dias quentes e noites frias, a fim de preservar as suas características marcantes. Por conta disso, nem todas as regiões do mundo são aptas para o cultivo dessa uva, algo que deve ser bem pensado e que afetará completamente o resultado da bebida produzida.

Em seguida, são feitas as colheitas e separações, onde ocorre a seleção das frutas de melhor qualidade. A maceração (que envolve a mistura dos componentes da casca da uva na bebida), um processo muito importante, vem logo em seguida. Esse passo determinará pontos importantes do vinho, como a concentração de taninos e até a coloração do vinho.

Logo em seguida, passamos para o processo de fermentação. Aqui, as leveduras responsáveis pela alteração química da bebida atuarão e transformarão os açúcares da fruta em álcool, gás carbônico e energia, que será utilizada pelas leveduras para a manutenção de suas vidas. Elas vivem em temperaturas de 12 a 32ºC e praticamente morrem quando a transformação do açúcar em álcool acontece em quase sua totalidade.

● Vinho Malbec na Argentina - A Malbec argentina tem sabor e aparência diferente da Malbec francesa. Seus cachos são menores e densos, dando origem a frutos igualmente menores. A uva teve boa adaptação à região argentina, devido ao solo seco e pobre, além da alta altitude. Por essa razão, o vinho Malbec argentino é diferenciado. As altas temperaturas e a exposição solar da Argentina alteram a maturidade e deixam a acidez da uva menor.



A Malbec continua tendo amplo cultivo na França, dando origem a ótimos vinhos. É preciso salientar que a diferença entre as regiões é o que deixa os vinhos com sabor diferente, não sendo nenhum deles melhor ou pior que o outro.

Na década de 1990 aconteceu uma grande revolução na produção do Vinho Malbec. Nicolas Catena foi responsável por produzir o primeiro vinho 100% Malbec, argentino maturado 12 meses em carvalho francês.

Um conjunto favorável de diversos fatores, como geográficos, climáticos e geológicos, faz que os vinhos Malbec argentinos tenham características bastantes particulares. Os rótulos têm ganhado cada vez mais notoriedade e reconhecimento entre os críticos do universo do vinho. O terroir de cada país se mostra de forma clara através de suas uvas e, consequentemente, nos vinhos. O Malbec argentino possui sabor e aroma mais agradável, além de ter uma textura mais aveludada.

● Características do Vinho Malbec - De modo geral, um Vinho Malbec varietal apresenta coloração intensa e escura, próximo ao vermelho púrpura. Os aromas lembram frutas vermelhas e ameixas maduras. Com envelhecimento em carvalho, o vinho pode ganhar estrutura e os aromas tornam-se muito mais complexos.




Entretanto, é importante ressaltar que as características dessa casta podem variar bastante dependendo do terroir em que é plantada.

Na Argentina, a altitude, o solo seco e pobre, a baixa umidade e a intensa exposição ao sol da Província de Mendoza originam vinhos com uma grande expressão de fruta, acidez moderada e taninos maduros e macios.

Já em Cahors, na França, as uvas não atingem a mesma maturidade que em solo argentino. Como resultado, temos vinhos com menor teor alcoólico e com acidez maior.

Por que o vinho Malbec argentino é tão especial? Você provavelmente já ouviu falar sobre o conceito de terroir! Esse é um termo sem tradução muito clara, mas que significa, em palavras simples, os fatores (sejam ele climáticos, biológicos, químicos ou físicos) de um determinado local que contribuem e interferem na produção de um vinho.

Esses fatores podem incluir o sol, a altitude, a geologia, o tipo de água, o Ph do solo, os ventos, a declividade do terreno em que as uvas são plantadas, além de muitos outros pontos importantes. O conjunto dessas características são determinantes para a qualidade, o sabor e outras particularidades do vinho.

Por conta disso, uma mesma uva, quando plantada em pontos diferentes do globo, produz bebidas bastante distintas. Isso faz com que dois vinhos, ainda que compartilhem características, sejam completamente diferentes e únicos. Esse é, sem dúvidas, o caso do Malbec oriundo da Argentina.

As principais características do vinho argentino incluem os seus fortes taninos, bem mais maduros do que no equivalente francês, sua textura deliciosamente aveludada e o seu sabor frutado com uma forte presença de ameixas, amoras e cerejas negras na composição. Além desses, podemos identificar o gosto de chocolate e cacau.

Os vinhos Malbec produzidos na França, por exemplo, são muito mais ácidos do que os vinhos argentinos e têm um sabor mais voltado para o apimentado. Ao mesmo tempo, têm taninos menos fortes e uma quantidade de álcool reduzida quando comparada com a bebida sul-americana.

Esses pontos o tornam diferentes dos vinhos Malbec produzidos em qualquer outro lugar do planeta. Essas características únicas fizeram com que a Argentina se tornasse uma referência na produção de vinhos de altíssima qualidade e, por isso, essa nação tem uma relação de reverência com essa uva em particular.

● Os vinhedos argentinos - As altitudes em que os vinhedos argentinos prosperam seriam impensáveis na Europa: entre 700m e 1400m, chegando até a 3.015m na província de Salta, no norte do país. Com uma altitude média superior a 900m acima do nível do mar, a amplitude térmica (diferença de temperatura entre o dia e a noite) de até 20º C proporciona ao vinho essa intensidade de aroma e cor.

♦ Província de Mendoza - Considerada oficialmente uma das oito Grandes Capitais do Vinho, Mendoza concentra quase 70% das videiras plantadas na Argentina. Mendoza Central tem a tradição mais antiga de vinho fino e boa parte dos produtores mais famosos do país tem sua sede nesta região.

Os vinhedos que se estendem em ambos os lados das avenidas que nascem na cidade, no departamento de Luján de Cuyo, ganharam fama por seu Malbec de especial qualidade. Nesta zona, entre os distritos de vinhedos que conseguiram construir reputação por seus Malbecs estão Vistalba, Perdriel, Agrelo e Las Compuertas, onde os solos são mais pobres.

♦ Valle de Uco - O Valle de Uco é um grande palco para a uva Malbec, com 44% da área plantada dessa casta. A região é consagrada pela visita de turistas e experts em vinhos, devido ao seu reconhecimento e a proximidade de Mendonza: são apenas 100 km de distância.

De acordo com dados da Wines of Argentina, a temperatura média anual em Valle de Uco é de 14,2 °C. A região é marcada pelo clima temperado, com invernos rigorosos e verões quentes, de noites frescos.

São mais de 25 mil hectares de vinhedos, mostrando a relevância do Valle de Uco para o cultivo de uvas e a produção de vinhos. A amplitude térmica diária alcança 15°C, reforçando o tanino das uvas.

● Dia Mundial da Uva Malbec - Em 17 de Abril é comemorado o Dia Mundial da Uva Malbec. Esta data foi estabelecida em 2011 pela Wines of Argentina, entidade responsável pela imagem do vinho argentino no mundo. Neste mesmo dia em 1853, o engenheiro agrônomo francês Michel Aime Pouget trouxe para Mendoza as primeiras mudas das uvas Malbec.

Atualmente, a casta que é plantada em solo argentino, e em países da Europa e Novo Mundo, ganhou um grande reconhecimento por produzir vinhos de qualidade.

Além da França (que é o segundo país no ranking de produção dessa uva), a uva Malbec é produzida em nações como: Chile, Estados Unidos (especialmente nas regiões de Washington, Oregon e Califórnia), Nova Zelândia (país com menor produção), Austrália, Canadá, África do Sul, Itália (ao norte) e Espanha (na região de Ribera del Duero, e onde faz parte do corte do famoso vinho Vega Sicilia).

Dentre esses países, além da França, o Chile talvez seja o produtor mais marcante da uva. Ali, o seu cultivo é bastante extenso e de qualidade, principalmente por conta das altitudes elevadas e do clima um tanto quanto semelhante ao visto na Argentina (embora relativamente mais frio).

Como podemos observar, várias nações ao redor do globo se dão particularmente bem na produção do vinho com uvas Malbec. Lugares remotos e frios, como o Canadá, e ambientes no extremo sul do planeta (como a África do Sul e a Austrália) conseguem, apesar de suas diferenças, produzir frutas de boa qualidade e rótulos de primeira classe.

● Vinho Malbec no Chile - Devido ao seu isolamento geográfico, o Chile consegue produzir vinhos de qualidade e com bons preços. Cercado pela Cordilheira dos Andes a leste, do Pacífico a oeste, das areias do deserto de Atacama ao norte e das terras ermas da Antártica ao sul, as vinhas crescem com segurança e livres de poluição.

A Malbec começou a ganhar espaço no Chile há cerca de duas décadas. No passado, a casta era utilizada apenas para melhorar mesclas, dar cor, porém nunca foi considerada uma variedade para produzir um vinho varietal.

Em 2015, um rótulo chileno conquistou o título de melhor vinho Malbec no Guia Descorchados 2015, considerado o maior e mais completo guia de vinhos da América do Sul. Os chilenos dizem que o Malbec argentino é macio, redondo, doce. E que o Malbec chileno é mais austero, seco, elegante e complexo. Dentro deste contexto vale a pena provar o Viu 1, da vinícola Viu Manent. A vinícola colocou o malbec de qualidade no mapa do Chile. Aqui as uvas são provenientes do Quartel N.º 4, no vinhedo de São Carlos. A colheita é manual e de forma pontual, por videira. O Viu1, tem edição limitada e garrafas numerada. O vinho tem uma legião de aficionados. O vinho tem uma vibração diferente e a cada safra torna-se mais elegante, mais fresco e com um incrível poder de sedução.

● Harmonizações com vinho Malbec - Por ser uma bebida de sabores e aromas bastante intensos e peculiares, não precisamos de taças largas ou muito fundas, mas eu não deixaria de usar uma taça grande do estilo Bordeaux. Recomendo servir a uma temperatura entre 16 a 18ºC.

Uma das melhores harmonizações para os vinhos Malbec é, sem dúvida, a carne vermelha. Bastante popular na gastronomia da Argentina, os churrascos e outros preparos com carnes bovinas (como a boa e velha costela) nasceram para ser pareados com essa bebida. Linguiças, como o chouriço, também caem muito bem.

Leitão, Leitoa assada, Paleta fritas em pedaços, Leitoa frita, Patê de porco no estilo campagne, Feijoada “francesa" de feijão branco (Cassoulet), Filé assado, Iscas de Filé e Rosbife, pizzas, massas, risotos com carne ou cogumelos, tudo vai bem com malbec. Até mesmo um hamburguer ou um Choripan, o famoso sanduiche argentino de pão francês, linguiça frita ou assada e molho chimichurri fresco!!! O Malbec é um vinho versátil....

Já os queijos também podem ser combinados com esse vinho. Uma boa pedida é harmonizar o Malbec com queijos duros como o gouda ou com os altamente fermentados. No entanto, opções mais comumente consumidas também combinam bastante com esse vinho, que faz um belo contraste com a gordura do queijo.

Já as sobremesas, outra paixão natural, também podem ser consumidas pareadas com esse vinho. O ideal é que ele esteja um pouco abaixo dos 16ºC, para não pesar no paladar. As combinações possíveis envolvem o chocolate, que combina muito bem com as notas próprias do vinho. Receitas à base de amêndoas também são sempre bem-vindas.

Aproveite o 17 de Abril e faça Tim-Tim com um Malbec!!!!


Saúde!!!



Márcio Oliveira


Skype: molivier9


@vinoticias