• espaco horizonte

Lançamento do romance Auroras no Quina Bh




Auroras, romance de estreia de Alessandra Henriques de Oliveira conta a história de uma mulher nascida em Diamantina (MG), que passou a primeira etapa da vida profissional como maquiadora de políticos em Belo Horizonte e viajou Brasil afora, até se mudar para a capital francesa, em busca de aventura e crescimento.


Em Paris, conhece o amor de Louis, seu marido francês, e tem com ele três filhos, todos com particularidades que mudarão para sempre o seu destino.


As divisões vividas pela protagonista permeiam este primeiro romance de Alessandra Henriques. Sejam as oposições entre o interior de Minas e a capital, entre a religiosidade familiar cristã e as tradições afro de Mãe Lu, a mãe preta que lhe transmite afeto e sabedoria, entre o apego à casa e a vocação para o mundo.


A cada novo desafio, Aurora vivencia um renascimento, um novo alvorecer. A mudança de país, os desafios culturais e idiomáticos, as novas relações.


O romance - uma ficção inspirada na história verídica de Isaura Canuto - será lançado no dia 23 de julho, de 13h00 às 16h00, no Quina Restaurante

Av. Prudente de Morais, 15 - Santo Antônio.


A tarde de autógrafos da autora contará com a presença de Isaura Canuto.



A escritora, Alessandra Henriques de Oliveira

Foto: Laura Hasse



Sobre a escritora


Alessandra Henriques de Oliveira é natural de Belo Horizonte e vive na região parisiense desde 2003. Formada em Ciências Econômicas e Jornalismo no Brasil e mestre em Cinema/Audiovisual na França, ela é imergida culturalmente no universo dos dois países.


Em busca constante de personagens e histórias, Alessandra escreveu para a imprensa mineira os artigos Paradoxos do Sistema; Nova literatura Indígena; Uma sociedade Perversa; Homenagem à coragem sobre a obra de Claude Lazmann; e As manifestações no Brasil : não basta agitar sem agir em seguida. Para a emissão literária “Entrelinhas” da TV Cultura de São Paulo, entrevistou os autores Claude Lanzmann, Emmanuel Carrère, Antoine de Baecque em Paris; e Rubens Figueiredo no Rio de Janeiro. Participou da curadoria da primeira edição do Festival International du Documentaire Etudiant; e coordenou o Festival Brésil Pluriel – curtas-metragens brasileiros, em Paris. Atualmente, é funcionária pública na Cour d’Appel de Paris.



@quinabh

Jornal @espacohorizonte