top of page
  • Foto do escritorespaco horizonte

Chapéu Panamá: um ícone que não é panamenho!






1A- foto sem legenda

1B- Presidente Roosevelt com o chapéu, que batizou de “ Panamá”

1C- .


Por incrível que pareça, um dos chapéus mais famosos do mundo, o Panamá, não tem origem panamenha. Eu mesmo não sabia disso até que conversando com minha mãe, sobre minha viagem ao Panamá, ela disse que havia conhecido o local onde eram fabricados e pasmem, no Equador, berço da especial palha “toquilla”... o que me motivou à pesquisa a respeito.


De acordo com registros, os nativos já usavam chapéus de palha quando da colonização espanhola na região e tal costume passou a se tornar também habitual entre eles, os quais levaram o adorno à Europa à partir do século XVIII.


A febre do chapéu se espalhou pela América Central e não demorou para chegar no Panamá no começo do século passado. A exportação do chapéu equatoriano para a Cidade do Panamá se deu, principalmente, por causa da construção do Canal do Panamá (1904 – 1914) que atraiu muitos engenheiros e trabalhadores para a região. Como muitos panamenhos e turistas usavam o chapéu no Panamá, o nome começou a se popularizar. No entanto, o grande sucesso veio depois que o então Presidente dos Estados Unidos, Theodore Roosevelt, visitou o Canal e foi fotografado com a peça, cujo nome batizou de Chapéu Panamá.


Presidente Roosevelt com o chapéu, que batizou de “ Panamá”



Uma das características da palha usada na confecção do chapéu, é sua maleabilidade, e os de boa qualidade e melhor número de fibras, podem ser armazenados como canudos, sem perder sua forma após abertos. Os valores variam de modo exorbitante, pois quanto mais fibras, maior a proteção solar, maior a maleabilidade e por consequência, maior o valor.


Vivendo e aprendendo, não é mesmo?!



Este colunista em viagem ao Panamá com o seu chapéu típico





Matéria de David Faria para o Jornal Espaço Horizonte




Comments


bottom of page